Logon
Blog

Trauma raquimedular: o que é, quais os sintomas da doença e como diagnosticá-la?

Acidentes de trânsito estão entre as principais causas dessa lesão

​Você já ouviu falar em trauma raquimedular? Apesar de o nome causar certo estranhamento, a primeira pessoa a referenciar esse termo foi o médico egípcio Imhotep, que viveu entre os anos de 2686 a.C. e 2613 a.C. Àquela época, pessoas que sofriam lesões na medula e perdiam a capacidade de andar e urinar não deviam receber tratamento.

Felizmente, não só os estudos médicos avançaram, mas a sociedade também mudou sua ideia sobre o tema e, hoje, pessoas vítimas de trauma raquimedular recebem cuidados voltados às suas necessidades. O Dr. Fábio Simões Fernandes, neurocirurgião do Hospital Brasília, explica o que é, quais são os sintomas e como diagnosticá-la.

O que é o trauma raquimedular?

A coluna vertebral é composta por vértebras (ossos), articulações e discos intervertebrais, que promovem o amortecimento de impactos entre os ossos da coluna. Toda essa estrutura protege a medula espinhal, que é um prolongamento do cérebro, responsável por transmitir todos os movimentos e sensações produzidos pelo corpo humano.

Contusões causadas por acidentes automobilísticos, quedas de altura, agressão por arma de fogo ou mergulho em águas rasas, por exemplo, podem ocasionar o trauma raquimedular.

“Caso a lesão atinja o interior da coluna vertebral, pode haver comprometimento temporário ou permanente às funções motoras e sensoriais", complementa o médico.

​Quais são os sinais e sintomas de um trauma raquimedular?

Os sintomas de trauma raquimedular variam de acordo com a gravidade da lesão e a região acometida. Segundo o Dr. Fábio, quanto mais severo o dano, mais grave e extenso será o prejuízo neurológico resultante.

A seguir, confira quais são os sinais mais frequentes de agravo raquimedular:

  • perda dos movimentos na região do pescoço para baixo (tetraplegia) ou do tronco e das pernas (paraplegia);

  • alteração na sensibilidade da pele ao calor, ao frio ou à dor;

  • espasmos musculares;

  • dores por lesão nos nervos;

  • alteração dolorosa da sensibilidade;

  • dificuldade para respirar;

  • incapacidade de controlar a urina e/ou as fezes;

  • dor nas costas.

​Que situações podem gerar um trauma raquimedular?

Assim como escoriações e traumatismo craniano, o trauma raquimedular pode ser uma consequência de quedas e acidentes de trânsito, por exemplo. “No Brasil, as principais causas de traumatismo raquimedular são os acidentes de transporte: motocicleta, automóvel e bicicleta. Além disso, o mergulho em águas rasas também leva à lesão medular no nível do pescoço, por isso, desaconselhamos essa prática em locais onde não se saiba a profundidade. Por fim, agressões por arma de fogo e arma branca completam as principais causas de sequelas neurológicas por trauma raquimedular", explica o especialista. 

Como diagnosticar o trauma raquimedular?

A depender do grau da lesão neurológica, é possível identificar uma lesão medular e seu nível aproximado apenas com o exame físico realizado pelo traumatologista.

Exames como radiografia e tomografia computadorizada auxiliam na detecção de fraturas dos ossos da coluna, enquanto a ressonância define o grau de acometimento da medula espinhal.

​O que fazer em caso de trauma raquimedular?

Ao presenciar um acidente, para muitas pessoas, o instinto natural é tentar remover a vítima da posição que está lhe causando dor. No entanto, isso não é indicado, pois pode causar sérios danos à coluna vertebral do doente.

“A correta imobilização da vítima de trauma pode evitar ou minimizar as sequelas, e isso poderá impactar a pessoa pelo resto da vida. Por isso, diante de um cenário de acidente, o correto é não remover o paciente e acionar o serviço de emergência", afirma o neurologista.

​Qual o tratamento para o trauma raquimedular?

Pacientes que estão sob suspeita de qualquer tipo de lesão na coluna são imobilizados com colar cervical e colocados em uma prancha rígida. A partir desse ponto, a equipe de saúde analisa os sinais vitais e presta os primeiros socorros necessários, para que possam ser encaminhados para os hospitais.

Quanto ao tratamento, o Dr. Fabio Simões Fernandes explica que pessoas com lesão medular devem ser atendidas com máxima brevidade.

“Há estimativa que algumas sequelas neurológicas podem ser revertidas quanto mais precoce for o tratamento. Embora os resultados da primeiras 24 horas sejam satisfatórios, o 'tempo de ouro' seria o tratamento nas seis horas iniciais. Em geral, o tratamento cirúrgico é indicado nos casos mais graves."

​Centro de Trauma do Hospital Brasília

No Hospital Brasília, dispomos de um Centro de Trauma com infraestrutura para uma atuação de ponta a ponta, do atendimento pré-hospitalar à reabilitação. Prontos-socorros adulto e infantil, centro cirúrgico e UTI estão integrados e são conduzidos por uma equipe multidisciplinar capacitada para oferecer atendimento de excelência.

Investimos continuamente no treinamento de nossas equipes de trauma, para que nenhum momento seja perdido desde a chegada do paciente. Nossa alta taxa de sucesso se deve à rapidez e eficiência com que os protocolos de atendimento são executados, com categorização por meio do sistema ABCDE e disponibilidade de profissionais multidisciplinares nos plantões para um atendimento completo e de excelência. Além disso, disseminamos informações sobre o tema por me​io de webinars e capacitações voltadas tanto para o público em geral quanto para os profissionais da área.

​​

Veja mais